Coronavírus: Brasil registra 49.492 casos e 3.313 mortes. 407 mortes notificadas na quinta-feira (23.04.20)

CoronaVirus no Brasil e no Mundo
CoronaVirus no Brasil e no Mundo

Coronavírus: Brasil registra 49.492 casos e 3.313 mortes

Dos 49.492 casos diagnosticados, 26.573 pessoas são consideradas recuperadas e outras 19.606 estão em acompanhamento. Informações foram atualizadas até as 14h de quinta-feira (23)

O Ministério da Saúde registra 49.492 casos de coronavírus no Brasil e 3.313 mortes até as 14h de quarta-feira (22), segundo informações repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde. Até agora, do total de casos confirmados, 26.573 pessoas são consideradas recuperadas, correspondendo a 54% dos casos diagnosticados e outras 19.606 permanecem em acompanhamento.

Nas últimas 24 horas, foram registrados 3.735 novos casos e 407 novos óbitos. “A gente teve um aumento nos óbitos acima do que vinha acontecendo anteriormente. Ainda não é possível dizer se isso representa um esforço em fechar os diagnósticos ou se representa uma tendência de aumento. Como falei ontem, a gente avalia todo o dia o que está acontecendo, até hoje à tarde e, a partir dos dados novos, definimos as novas ações”, disse o inseguro e amórfico ministro da Saúde, Nelson Teich.

O Ministro mostra mais interesse nas questões economicas do governo, planos de saúde, hospitais particulares e no relaxamento do isolamento social do que interesse em apresentar medidas práticas para conter o avanço da Covid-19 e no atendimento às necessidades de cidades que estão com seu sistema de saúde saturado.

Brasil promete mais 1.134 leitos de UTI nos próximos 90 dias

Esse quantitativo soma-se aos 322 leitos habilitados em outras duas ocasiões no mês de abril. Com isso, o país passa a ter um reforço de 1.456 leitos de UTI no combate à pandemia

“Nós fizemos as habilitações hoje para os mais diferentes estados e isso vai representar um investimento do Governo Federal de R$ 163,6 milhões ao longo dos próximos 90 dias”, destacou o ministro Nelson Teich, durante coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, em Brasília. O valor será repassado aos estados e municípios.

Giro News

Ministério da Saúde divulgou um balanço na quinta-feira (23) de mortes em investigação para COVID-19. Segundo a pasta, o país ainda identifica a causa da morte de 1.269 pessoas, o que corresponderia a um aumento de 38% no número de vítimas fatais do novo coronavírus.

Em entrevista coletiva, o ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou não saber qual era a razão para um número mais alto de casos em um único boletim. Ele disse que aguardaria para saber se era pontual ou se representava uma nova tendência.

    De acordo com o balanço divulgado na quinta (23) pelo Ministério da Saúde, São Paulo é o estado com o maior número de casos da COVID-19, com 16.740 diagnósticos confirmados e 1.345 mortes.

O diretor técnico do hospital de campanha de Belo Horizonte, José Carlos Serufo, criticou a forma com que informações relacionadas à pandemia do novo coronavírus têm sido levadas à população. De acordo com o médico e professor, o medo entre as pessoas está exagerado.  Ele atribuiu o pânico a sites que mostram números da doença em tempo real e à forma como a Organização Mundial da Saúde (OMS) aborda o assunto.

Coronavírus no Brasil – Ceará tem 100% dos leitos de UTI ocupados. Amazonas tem 96% e Pernambuco, 95%.

Governador do Amazonas diz que pico de covid-19 deve acontecer em maio

As mortes no Brasil aumentam mais rápido do que na Espanha, indica estudo. Cientistas alertam que, sem isolamento, podemos repetir tragédias de EUA e Europa

Além de fazer muito mal à saúde, fumar eleva substancialmente o risco de desenvolver a forma grave da doença causada pelo novo coronavírus, a COVID19. Assim, todas as pessoas que fumam podem se considerar dentro do grupo de risco.

Bolsonaro veta dispensa de atestado médico durante quarentena para trabalhador doente.

Tensão no governo : Moro ameaçou pedir demissão se Bolsonaro trocar o diretor da Polícia Federal. Valeixo é ligado a Moro desde os tempos da ação dele na Operação Lava Jato, no Paraná

2 milhões já têm contrato suspenso, e 1,3 milhão, salário e jornada reduzidos

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello decidiu pedir à Câmara dos Deputados informações a respeito do andamento de um pedido de abertura de processo de impeachment por crime de responsabilidade contra o presidente Jair Bolsonaro apresentado por dois advogados, segundo decisão do magistrado divulgada nesta quinta-feira.

Os autores da ação questionaram o fato de o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda não ter se manifestado sobre o pedido, mesmo depois de mais de 15 dias de ele ter sido apresentado.

Bolsonaro responsabiliza Onyx e diz que antecipação de auxílio foi anunciada sem autorização

Estados Unidos se aproximam de 50 mil mortes por coronavírus, com 3.176 óbitos em 24 horas