Coronavirus no Brasil e no Mundo: notícias e atualização de casos (16.04.20). Edição da manhã

Coronavirus no Brasil e no Mundo

Notícias e atualização de casos (16.04.20). Edição da manhã

Governo do Estado do Rio Grande do Sul contratou uma pet shop-agropecuária para fazer exames de coronavírus. Ministério Público RS entrou com liminar para suspender o contrato com a empresa. O governo do indeciso e influenciado governador, Eduardo Leite, precisa explicar o motivo da escolha.

Edmar Santos, secretário estadual de Saúde do RJ, testa positivo para coronavírus.

Prefeito de São Gonçalo apela à população para ficar em casa.

Ceará possui 2.386 casos confirmados e continua com 124 mortes por Covid-19, de acordo com a mais recente atualização do boletim da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), feita às 9h50min desta quinta-feira, 16 de abril. Da noite de quarta-feira até a manhã desta quinta, foram 95 casos a mais confirmados. 

Segundo o informe, 11.428 casos estão em investigação e 13.590 testes já foram feitos. A letalidade é de 5,2%. Dos 184 municípios cearenses, 75 possuem casos confirmados da doença. Fortaleza segue como o município com maior número de casos e de óbitos, 2.031 e 93, respectivamente. 

“Troca no ministério deve se concretizar hoje ou amanhã”, diz Mandetta

Suspensão da exigência do CPF para recebimento do benefício tem extensão nacional, mas foi tomada a pedido do governo do Pará

O Procon Fortaleza registrou aumento de 415% no número de denúncias de aumento abusivo nos preços de álcool em gel, máscaras e alimentos nos supermercados. A quantidade subiu de 161, em 19/3, para 830, até quarta-feira (15).

Cidades do interior do RS reabrem comércio após decreto estadual

Acordos de corte de jornada ou suspensão de contrato já atingem 1,7 milhão

Sepultados sem velório, em caixão fechado e isolados em seus momentos finais, os mortos pela Covid-19 no Brasil começam a ajudar os médicos a aprender sobre a doença e a impedir que mais pessoas morram.

Usando uma estratégia de autópsia minimamente invasiva, para evitar o contágio, cientistas da equipe de Paulo Saldiva, professor titular do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) se defrontaram com a “enorme agressividade do Covid-19 ”.

“O  coronavírus é mais agressivo do que o H1N1 . Ele promove uma depressão muito grande do sistema de defesa. O corpo fica entregue à própria sorte. Estamos no início, mas já observamos enorme destruição, o coronavírus ataca com enorme agressividade “, afirma Saldiva, em matéria no site do IG. 

“Até quinta (16), foram feitas 15 autópsias e os resultados de dez delas foram apresentados. A meta são 60. As autópsias nos mostram informações que de outra forma não acessaríamos. Por isso, as famílias que autorizam as autópsias fazem um gesto fundamental. É uma doença contagiosa, os órgãos não poderiam ser mais usados. Então, essas famílias doam conhecimento”, esclarece o pesquisador.

“Estudamos vários órgãos , como o pulmão, o fígado, os rins e o baço. Vimos uma agressividade impressionante do coronavírus. E sinais da resposta imunológica. Mas não sabemos como o coronavírus ilude a resposta imunológica. Queremos descobrir por que o coronavírus ataca com tanta avidez o sistema respiratório. Também vimos muito comprometimento dos músculos, muita inflamação muscular. Isso pode explicar por que alguns doentes reclamam tanto de dores musculares”, declara o professor.

Coronavírus: Reino Unido registra 861 mortes em 24h, maior índice em 5 dias