Coronavírus no Brasil: país bate novo recorde de casos confirmados em 24h

Coronavírus no Brasil
Coronavírus no Brasil

Coronavírus no Brasil: país bate novo recorde de casos confirmados em 24h

Brasil bateu um novo recorde diário de casos confirmados de covid-19 na quarta-feira (22/07), ao registrar 67.860 infecções em apenas 24 horas, segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Ministério da Saúde.

O recorde anterior havia sido registrado há mais de um mês, em 19 de junho, quando as autoridades do país reportaram 54.771 novos casos em um dia. O balanço de quarta-feira eleva o total de infecções em território brasileiro para 2.227.514.

O país também registrou mais 1.284 mortes em decorrência do coronavírus Sars-Cov-2, chegando a 82.771 óbitos.

São 1.532.138 pacientes recuperados da Covid-19 e 612.605 estão em acompanhamento, segundo o Ministério da Saúde.

São Paulo é o estado brasileiro mais atingido por Coronavírus, com 439.446 casos e 20.532 mortes. Na quarta-feira, pela primeira vez o interior de São Paulo ultrapassou a capital em números absolutos de casos confirmados. Segundo o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, o interior soma 170.515 infecções (40,35% do total de casos) e a capital, 167.801 (39,71%). O restante é registrado na Grande São Paulo e na Baixada Santista.

O Ceará é o segundo estado brasileiro com maior número de casos, somando 153.108, e o terceiro em número de mortos, com 7.317 vítimas. Já o Rio de Janeiro tem 148.623 infecções e 12.443 óbitos, o que o coloca atrás de São Paulo como o segundo estado com mais mortes.

Segundo o Ministério da Saúde e o Conass, a taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes é atualmente de 39,4 no Brasil.


Também na quarta-feira, o Governo Federal informou que o presidente Jair Bolsonaro testou novamente positivo para a covid-19. Este é o terceiro exame feito que ė detectado a presença do vírus.

Bolsonaro anunciou ter contraído a doença em 7 de julho. Desde então, só participa de compromissos oficiais por videoconferência e diz que só se reúne com auxiliares que já foram infectados.