Coronavírus no Brasil : boletim do Ministério da Saúde de quarta-feira (05.08) registra 1.437 mortes em 24h

Gebbeg Coronavirus no Brasil
Gebbeg Coronavirus no Brasil

Coronavírus no Brasil

Boletim do Ministério da Saúde de quarta-feira (05.08) registra 1.437 mortes em 24h

O boletim do Ministério da Saúde de quarta-feira (05.08) registra 1.437 mortes por Covid-19 e 57.152 novos casos nas últimas 24 horas. Segundo o governo federal, são 97.256 vítimas desde o início da pandemia. Em relação aos casos, o País contabiliza 2.859.073 contaminados, com mais de 2 milhões de curados.

O Estado de São Paulo que está em ampla liberação das atividades econômica, lidera o registro de mortes e infecção no Brasil. São 24.109 mortes e 585.265 casos confirmados de coronavírus. São Paulo, Ceará, Bahia e Rio de Janeiro são os estados mais afetados pela pandemia. Como os locais com menor incidência do coronavírus, aparecem Roraima, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Acre. 

A pandemia da Covid-19 apresentou sinais de desaceleração em três regiões brasileiras na última semana epidemiológica. Segundo dados oficiais do governo federal, na região Norte, houve redução de 16% nos diagnósticos e 39% nos óbitos. No período de uma semana, a média diária de casos na região caiu de 4.822 para 4.029.

Os estados do Nordeste também apresentaram queda nos números da Covid-19. Os casos confirmados tiveram redução de 3% e os óbitos de 11%. Situação semelhante foi observada na região Sudeste. São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo registraram diminuição de 3% nos diagnósticos e de 8% nas mortes em decorrência da infecção pelo coronavírus. 

O sinal de melhora, no entanto, não se aplica às outras duas regiões brasileiras. Os números no Sul do país continuam crescendo. A média diária de casos confirmados no Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina subiu de 5.588 para 6.181 nas duas últimas semanas, aumento de 11% – percentual de variação que foi observado também nos óbitos. A Covid-19 também avançou no Centro-Oeste. Aumento de 2% nos registros confirmados e 8% nas mortes.

Em entrevista coletiva em Brasília, Arnaldo Medeiros, voltou a reforçar a recomendação do Ministério da Saúde para procurar ajudar médica logo nos primeiros sinais de manifestação de síndrome gripal. 

“Em caso do aparecimento dos mais precoces de sintomas, não fique em casa. Procure um posto de saúde, procure o seu médico, para que ele possa fazer a avaliação clínica. Continuamos dizendo que higienizem as superfícies, mantenham distância física, no mínimo, de um metro. Evitem aglomerações e continuem com o uso da máscara”, pontuou.

O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de casos de covid-19 oficialmente notificados, atrás somente dos Estados Unidos, que superaram a marca de 4,8 milhões de infecções. O país também ocupa a segunda posição no mundo em relação ao total de óbitos, também atrás dos EUA, que acumulam mais de 157 mil mortes.

No cálculo por 100 mil habitantes, o Brasil aparece em 11° lugar (45,74), segundo a avaliação da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos. 

O número de mortos pelo coronavírus no mundo ultrapassou a marca de 700 mil. Estados Unidos, Brasil, Índia e México lideram a alta nos óbitos. Quase 5,9 mil pessoas estão morrendo a cada 24 horas de Covid-19, em média, de acordo com cálculos da agência Reuters, que levou em consideração as últimas duas semanas. Isso significa 247 mortes pela doença por hora, ou uma pessoa morrendo a cada 15 segundos.